quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O jeito é apelar para intuição!


"Eu quero querer igual a você, assim sem disfarçar.
E quero escrever uma canção de amor para nos libertar!"
(Paulinho Moska)

Imprevisibilidade. Quem diria que tudo poderia acontecer dessa forma. Agora já nem sei mais o que fazer com aqueles planos antigos, aqueles sonhos de ontem, aqueles quase amores que não concluí. Era melhor eu nem ter previsto tanto! Deixar as coisas acontecerem funciona mais. A tua proximidade foi assim, ao acaso do destino. Cada segundo foi interessante, tudo ocorreu no momento exato. Não foi cedo demais, foi preciso. Foi espontâneo. Tua falta de olhar traz uma ingenuidade que encanta. Teu toque é forte, vai além do corpo.

Será que é a pessoa certa? Será que não é mais ilusão? Confesso que o tempo me faz pensar mais que agir por instinto. Perco aos poucos aquele enorme amor, ingênuo, bobo e crente demais. Vejo-me mais temeroso, as barreiras que um dia tentei ultrapassar me derrubaram, machucaram demais. Isso é bom, não sou mais criança pra acreditar em história do príncipe com a mocinha. Parece que a história se repete, ao inverso de antes, os papéis mudam de figura. Será que aquilo que não deu certo vai perseguir sempre minhas decisões? O passado consegue me enfrentar com uma força que a luta se torna exaustiva. Mas bem sei que posso, que devo seguir em frente. Só não sei se a hora é essa, só não sei se o amor é esse. Mas quem sabe de alguma coisa? É, a solução é apelar pro sexto sentido!

Texto de Patrick Moraes

2 comentários:

Ryan disse...

LEIA e reflita!


Pode ser que você mude de idéia amanhã. Ou talvez eu mude. De repente vamos acordar e ver que não existe mais motivos pra tanta coisa. Mas por enquanto, posso fazer planos com você?
Mesmo que você vá embora pra sempre no mês que vem, me troque por um loiro gostosão ou um feio super esperto, posso falar de futuro? Não quero que você pense que sou um desesperado ou um garoto ingênuo demais. Um desses que quer realizar o sonho do príncipe com tanta força que coloca isso acima do próprio relacionamento. Quero só dividir tudo que puder com você, enquanto esse momento existir.
Você não precisa pagar minhas contas, lavar minhas roupas ou emprestar seu cartão de crédito. Muito menos, ao fim de cada frase relacionada ao futuro, dizer que era tudo brincadeira. Isso não é um contrato pra assinar embaixo. “Atesto aqui que todas minhas promessas podem ser quebradas num futuro indeterminado, caso mude de idéia. Atesto também que algumas frases melosas podem ser mero exagero, ditas apenas para fomentar o romance”. Eu sei que funciona assim e aceito as condições.
Tudo isso é meio adolescente mesmo. Pensar em nomes pros filhos que só virão em anos (se virerem), escolher o modelo de sofá pra sala. Brigar pela cor da cortina do nosso quarto quando nem moramos juntos parece estúpido. Mas é tão gostoso planejar tudo com você, saber tudo que você pensa sobre as maiores inutilidades do mundo.
Quando eu perguntar se vamos acompanhar as Olimpíadas de 2012, diga que sim, sem nem perguntar onde vai ser. Nem eu sei onde vai ser. E tudo bem se até lá mudarmos de idéia. O importante é que agora você queira estar lá comigo em cinco anos. Ainda que em cinco anos desista. Eu quero discutir qual raça de cachorrinho vamos adotar. Se é que vai ser um cachorro e não um gatinho. Decidir que flor plantaremos no jardim ou se o quarto deve ter uma televisão. Eu voto em não. E você? Pode falar, fala sim. Sem medo de nada disso acontecer e nos sentirmos dois idiotas. Sentir saudade dos planos que nunca se realizaram é uma das coisas que mais doem quando tudo acaba. Mas prefiro isso a não poder brincar de futuro com você.

Espero que este texto faça você mudar de idéia!

Abração amigoo

Italo Candeias disse...

adorei MUITO o texto Patrick!

e epa, esse texto daí de baixo é meu, vo bater no ryan
SUHIASUISAHISAHISAISAHIUSHA


ta mais doq add.