sábado, 23 de janeiro de 2010

A infinita janela de casa


"O mais importante do bordado é o avesso. O mais importante em mim é o que eu não conheço" (Maria Bethânia)

Foi de lá que eu cheguei naquela tarde de domingo. Dava pra ver a goiabeira ainda, quase sem galhas, mas em pé! Ainda via o menino que subia nas telhas de casa para chupar goiaba, mesmo sabendo que ia ouvir os berros de reclamação depois. Era a coragem de um pequeno herói, o desejo de fazer diferente do comum, a sensação do perigo. A goiaba nem era tão doce quanto as que tinha na geladeira de casa, mas o ácido da aventura o estimulava a sair da janela.

Abro a janela! As recordações são inevitáveis, aquelas mesmas de um tempo que eu cresci sem cair da bicicleta porque preferia olhar. Talvez meu trauma seja menor quando leio Tati Bernardi dizer que existem aqueles que sabem falar de si tão bem por conviver intimamente com as histórias que um dia ensaiou nos desenhos. Não foi bem assim que ela disse, mas eu digo. E me apaixono a cada texto por ela!

De volta a janela, acreditei ser lá meu refúgio, só esqueci de me avisar que não devia ser moradia. É bom subir na goiabeira vez em quando, cair da escada, ralar o joelho e sair do intimismo dos contos de herói que só ficam no papel. O parapeito não pode esquentar com os braços, só vale sentir o friozinho raramente. Mas mesmo ouvindo Bethânia cantar a janela do nunca mais, resolvi procurar debaixo do meu travesseiro a coragem do menino das telhas. Vai ver ele me ensina o caminho da porta ou pelo menos onde se esconde os mais ácidos desejos.

Texto de Patrick Moraes

4 comentários:

leandro disse...

Olá, Estou montando uma comunidade nova para divulgar o maior número
possivel de blogueiros no orkut, estou te convidando:
se tiver interesse divulgue seu blog lá também e Aumente Suas Visitas:

Blogosfera - Brasil - (Nova comunidade de blogueiros)
Divulgue seu blog lá!

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=97889392

Thunay disse...

Ralar o joelho e sentar na calçada da frente de casa com o joelho avermelhado do mercúrio cromo, que havia sido passado, pembranças de dias que já se foram no tempo comum, entretanto lembranças que com o tempo Kairós são intranspassáveis.

Victória Andressa disse...

Nossa adorei demais o seu texto. Você está de parabéns; de verdade. Divinamente bem escrito.


http://tacadesabedoria.blogspot.com

Iemai disse...

E fiquei tão boba com o tanto de bom gosto nesse texto que até esqueci o que tinha pra dizer :)